just like heaven

Tudo parece ousado àquele que a nada se atreve, por isso... atreva-se!

14 julho 2012

tudo novo, de novo!

foram dois meses em sampa. fiz academia e francês, revi as gentes mais queridas, aproveitei o lucca tudo o que pude, fiz check-up médico, tomei inúmeros sorvetes, paquerei os meninos todos, cozinhei um monte, passeei bastante, e li pouquíssimo na correria do dia-a-dia paulistano. o tempo voou e não escrevi uma linha sequer aqui no bloguinho abandonado! agora, de tudo-novo-de-novo, volto pra contar as coisinhas aos poucos, até encontrar uma nova rotina. tudo começou antes de ontem...

quinta-feira. acordei às 5 e às 6 eu já estava na academia. último dia de treino em sampa! musculação, alongamento, despedidas, e casa! de banho tomado, fechei a mala que faltava (foram 3, e ainda vou escrever um livro sobre malas e mudanças) e fui visitar o serginho, que pintou, cortou e secou minhas madeixas. de lá fui pra concessionária, pra deixar o carro cujo teto precisa ser pintado. marquei com a mamis dela buscar o carro pronto na semana que vem. o pessoal da honda me deixou em casa, onde me despedi da inês e das gatas, e deixei tudo arrumadinho pra próxima volta. combinei o taxi e fui pro eldorado (com vento gelado de inverno!), onde esperei um pouquinho o ônibus que me levaria pra viracopos na companhia do pirsig. jantei o que achei de mais light: salmão grelhado com saladona – nham nham! comi um chocolatinho de gramado, e encontrei alguém disposto a dividir sua cota de bagagem comigo (eu pagaria uma fortuna de excesso de peso, com meus 35kg de mudança). depois de dez horas de sala de embarque, o avião finalmente chegou e pudemos sair de campinas. nada estava azul na azul, mas chegando em porto seguro, o céu estava azulzinho e lindo! às sete da manhã encontrei o eduardo, que me trouxe pra estrela. tomei um bom banho, desfiz metade das malas, e fui tomar café. que café!!! preciso tomar *muito* cuidado pra não ficar redonda como os sonhos de goiabada! foi bem gostoso reencontrar o pessoal que conheci na semana passada. mar maravilhoso lá na frente do restaurante, sol lindo -- não tem como não estar feliz, mesmo bêbada de sono. conversei com as pessoas, dei uma volta pelo hotel, olhei, anotei, ouvi. não almocei, mas consegui tirar um cochilo incrível (de só noventa minutinhos) pra tirar o vermelhão dos olhos de quem tinha dormido só 6 das 48 horas anteriores. acordei e fui pra parte dois do primeiro dia da vida nova: mais volta pelo hotel, mais gente pra conhecer e reconhecer, mais informações pra pegar, mais coisas pra olhar, tudo pra planejar, organizar e mudar. tomei um sorvete bom, e depois consegui conhecer a minha terceira casa nova na praia!! ela é bem melhor do que nas fotos que eu tinha visto, e super diferente do que eu tinha imaginado. toda aberta e envidraçada, ela é um loft cujas únicas paredes internas são as dos banheiros. o andar de baixo tem uma sala enorme, um banheirinho, e uma cozinha petitica, e o andar de cima tem uma suíte. tudo é tão, mas tão parecido com o apê de sampa que dá até pra assustar. dei uma lista inteira pro chefe da manutenção das coisas por fazer antes de que eu possa me mudar pra lá, e voltei pro hotel toda animada com a casa! vai ser ruim de receber visitas que não sejam da família, e também de trazer as gatas (*tudo* é aberto, inclusive os armários da cozinha e do quarto, a escada, o mezanino da suíte; a gente vê a casa inteira de onde quer que esteja), mas de resto a casa é incrível. deu uma vontade louca de fazer yoga olhando pro mato que rodeia a construção. ainda pensando na vida nova, o jantar (robalo incrível com salada colorida) ficou por conta do chef, que parece animado com a oportunidade que vai ganhar. conversei um pouco com o chefe da segurança, e fui pro quarto super cedo, tonta de sono. ao invés de dormir, capotei, e só acordei hoje de manhã com a ajuda do despertador. já deu saudade do lucca, do gui, do rafa, do zé. da ju, da shi, da lu, da cris. das mimicas. e ainda tou tão cansada que chega a desanimar! mas quando o despertador tocou tinha sol, então fui andar na praia -- são 55 minutos daqui até a barra do rio, ida-e-volta. não tem absolutamente *ninguém* na praia às sete da manhã, então andei e cantei e dancei (viva o ipod!), antes de voltar pro quarto, tomar banho, e ir de novo me deliciar com o café da manhã que é uma perdição! durante o café, conheci mais gente (são setenta funcionários, e tenho a impressão de que ainda não conheço metade do pessoal!), pedi favores pro gerente operacional (taaaaanta coisa por fazer! ui! chego a ficar com peninha do g.o., que vai sofrer bem com essa minha chegada), e saí pra tentar me localizar um pouco melhor pela cidade. tentei visitar a academia daqui, que estava fechada às dez da manhã do sábado, mas que parece grande e bonita, e aprendi o caminho do hotel pro centro, do hotel pra academia, do hotel pra casa, da casa pro centro, da casa pra academia, do centro pra academia – acho que guardei como faz! hehe! não tem gente mais perdida que eu!! o legal é que apesar da cidade parecer ser toda desorganizada, com mil ruas que se desencontram e não vão pra lugar algum, os caminhos de que vou precisar no começo são todos fáceis. ou pelo menos parecem ser! de volta pra pousada, mais uma volta, mais observações, mais gente. vim pro escritório (onde tou temporariamente dividindo o espaço com o dono), e comecei a fazer as minhas infindáveis listas. e agora vim contar um pouquinho de como tem sido este começo de praia nova, de casa nova, de vida nova, de novos desafios nessa paixão profissional. tem coisa pra mexer no hotel – muita, muita, muita! mas tudo parece mais fácil, de uma certa forma. o maior problema (como sempre, a&b) deve ser resolvido já em agosto com a chegada de um cara que os donos contrataram e dizem ser muito bom. os outros problemas grandes (recepa, governança, manutenção) parecem todos mais ou menos sob controle, apesar de todos os pesares. tem algumas pessoas difíceis, como sempre. tem alguns tabus a quebrar, como em todos os lugares. tem muita coisa pra arrumar e aperfeiçoar, e tem resistência, como todo mundo sempre tem. mas parece que tudo vai se ajeitar, devagar, com calma, e com gosto. tomaaaaaara! e vamos que vamos :-) quero conhecer melhor a cidade, os hotéis, as pessoas, os restaurantes, as lojinhas. quero me mudar pra casa e achar uma rotina boa com academia, francês, cozinha e livros. quero ver as mudanças acontecerem e as pessoas mais felizes com seus afazeres. quero ver o hotel mais lindo, mais limpo, mais organizado e mais cheiroso. quero ver o brilho nos olhos dos funcionários, aquele brilho que só tem quem sente orgulho em fazer seu trabalho bem feito. tou ansiooooosa que nem te conto, mas acho que cada vez aprendo melhor a esperar o tempo certo das coisas todas; aprendo a navegar a vida como se ela fosse um rio, e não um avião supersônico.  e vamos que vamos :-)